Topete e uma maravilhosamente ridícula calça xadrez

Chegou a MargeM 168. A concentração de renda na economia dos criadores. Rick Astley e o show com músicas dos Smiths. Mais de Squid Game. O encontro de um filho com o pai depois de 52 anos. E mais.


- No Twitch, 1% dos streamers faturou mais do que a metade de toda a receita da plataforma neste ano.
- No universo dos podcasts, a coisa se repete: o top 1% ganha mais de 50% das receitas de anúncio.
- Entre as newsletters, as dez mais populares do Substack geram mais de US$ 20 milhões por ano em receita.

Não sei se chega a ser uma surpresa, mas a altíssima concentração de ganhos que existe na economia tradicional ocorre também na economia dos criadores.

***

E, no Twitch, há milhares de gamers que fazem transmissões em que quase ninguém assiste.


Pinkpantheress - I Must Apologise
Cantora-produtora de 20 anos que estourou no TikTok e não tem pudor em samplear trechos de conhecidas faixas antigas para criar músicas pop até o osso. Esta é tipo um drum'n'pop'n'bass feito em cima de um sample de Gypsy Woman, da Crystal Waters.


"Primeiro a Bienal disse que não queria índio nenhum. Agora que está saindo na mídia bonitinha que botou não sei quantos índios, isso não é verdade, precisamos esclarecer. E tem mais. Se já estão se arvorando disso, saindo de bonzinhos, isso não está certo. Porque isso tem um custo, e quem está pagando essa conta basicamente sou eu – e estou falando de dinheiro mesmo. Porque a Bienal paga um cachê de 12 mil reais, pega sua obra e te esquece. E aí, em se tratando da arte indígena contemporânea não basta. Porque quando você pega uma obra do artista, pega toda a história dele muito antes da colônia.”
Jaider Esbell, artista indígena que está na Bienal de São Paulo.


"Com topete, óculos, uma maravilhosamente ridícula calça xadrez, giros de microfone e monitores intra-auriculares que lembram aparelhos auditivos, Astley, aos 55 anos, é um Morrissey assustadoramente bom."
Sobre o show em que Rick Astley e a banda Blossom tocam músicas dos Smiths.


Nos dois primeiros discos, Lorde criou um "inventário de emoções contraditórias a partir do olhar de alguém que não consegue escapar da autoconsciência. Suas letras perspicazes, cheias de observações detalhadas que ficam conosco para sempre são parte do segredo, deixando o resto por conta da engenharia musical pouco óbvia de suas canções que nos pegam pela mão via ganchos irresistíveis e explosões sonoras".
No terceiro, Solar Power, ela "muda a marcha e mira na simplicidade". Mas o disco "decepciona".
Desta crítica.


O roteiro de Squid Game (ou Round 6), maior fenômeno de audiência do streaming neste ano, foi apresentado pela primeira vez em 2008.
"Ninguém teve coragem de colocar um dólar ou won sul-coreano sequer. A ideia de uma série sobre 456 pessoas falidas confinadas, brincando de jogos infantis para ganhar bilhões, parecia estranha. E o fato de elas morrerem se perdessem as partidas, surreal. Só que, de lá para cá, os desequilíbrios socioeconômicos se intensificaram. E o que parecia bizarro ganhou um ar mais realista", escreve o Globo, em entrevista com Hwang Dong-hyuk, o criador da série.

"A história não é mais surreal ou estranha", diz ele.

***

Mais um efeito colateral de Squid Game, a série mais falada do ano: aumentou em 7.800% as vendas do modelo de tênis da Vans que os personagens do show usam.


Um número: de todos os brinquedos fabricados no mundo, 85% são feitos na China.


Pink-Footed Geese Meeting the Winter, foto de Terje Kolaas que recebeu o principal prêmio no Drone Photo Awards 2021.
A primeira foto desta newsletter, Duoyishu Terraces, de Ran Tian (imagem de uma plantação de arroz na China), também está no concurso. Mais imagens aqui.


"É uma espécie de metáfora para Manhattan, onde há sempre um nível mais alto de luxo, uma sala secreta onde os ricos comem filé mignon assado enquanto os demais ganham uma canoa de berinjela.”
Trecho da espetacular crítica do Pete Wells sobre o Eleven Madison Park, um dos mais caros restaurantes de Nova York, que reabriu recentemente oferecendo apenas pratos veganos –isso no salão principal, porque em uma sala meio "secreta" ainda são servidos pratos com carne.


Pai e filho nunca se conheceram, pois o último foi entregue para doação logo após nascer. Depois de 52 anos, o filho localiza o pai e envia a ele uma carta. O problema: o filho está com um câncer agressivo e tem apenas poucos dias de vida.
Um dos mais bem escritos e emocionantes textos que li no ano.


Coisas legais por aí

Song Exploder - God. Pela primeira vez, o podcast que destrincha músicas pop dedica um episódio para uma faixa de um artista já morto. Os responsáveis pelo espólio do Lennon contataram o podcast, e liberaram vários arquivos com entrevistas e demos de God.

***
Waxahatchee ao vivo na KEXP. Beleza de performance da banda indie-folk na rádio de Seattle.

***

O Culpado. Mesmo tendo apenas uma sala da polícia como ambiente durante quase todo o tempo, o filme tem ritmo dinâmico e a tensão é constante. Jake Gyllenhaal é um policial de Los Angeles que atende uma chamada na central de emergência. O que se desenrola a partir dali faz com que a história tenha uma tensão constante. (O filme é uma refilmagem de um longa dinamarquês que está no cardápio do Prime, da Amazon.)


Cate Le Bon - Running Away
O novo disco da Cate le Bon está chegando, puxado por este primeiro single deliciosamente esquisito.


Este artigo afirma que ouvir um livro é melhor do que ler um livro.

***

Com a faixa Trava na Pose Chama no Zoom Dá um Close, o ex-feirante Patrick Muniz virou hit no TikTok e está ganhando as plataformas de streaming.

***

Under the Bridge foi a música que mostrou ao Red Hot Chili Peppers que era ok virar adulto.

***

Clubhouse já era? Não para os MCs que agitam as noites de sexta no app.

***

50 filmes de terror favoritos de grandes diretores.

***

Um ranking com todos os filmes de James Bond.

***

A pandemia deixou a internet mais propícia para ofensas, mas a inteligência das plataformas também tem sua responsabilidade nisso.

***

A clickbaitização da Netflix. ("A Netflix sempre se dedicou a fazer com que os usuários cliquem em um programa –e rapidamente. Uma pesquisa da rede mostra que os usuários analisam cada título por 1,8 segundo e que, se os usuários não encontram nada em um minuto e meio, eles desaparecem.")

***

Por que as big techs estão de olho nos games. (O mercado global de jogos pode alcançar os US$ 200 bilhões em 2023.)

***

Games x política: ideologias e crises começam a ser levadas para as telas.

***

Obras digitais e leilões pela internet revolucionaram o mercado da arte.

***

Este artigo mostra bem como o mercado de anúncios na internet é uma terra de ninguém. Um ponto: estima-se que 88% dois cliques em anúncios digitais sejam falsos. Outro: um estudo afirma que mesmo um anúncio tendo como direcionamento algo tão simples como o gênero (dos usuários que se quer atingir) deu errado em mais da metade das vezes.

***

O governo espanhol está oferecendo 250 euros para que adultos entre 18 e 35 anos deixem a casa dos pais (os espanhóis deixam a casa da família aos 30 anos, quase quatro anos depois do que a média de outros países da União Europeia).

***

Demolições em alta apagam memória de bairros tradicionais de São Paulo (Pinheiros é o bairro que concentra o maior número).

***

Como os paulistanos moldaram a paixão pelas padarias.

***

"Pausas no trabalho ajudam na produtividade e são essenciais para a saúde mental. Saiba como tirá-las sem prejudicar entregas, afazeres e mil reuniões."

***

Artigo de 2018, ainda atual: escrever em um diário faz bem à saúde.

***

Uma rede social pra quem gosta de plantas.

***

Um cara na Bósnia construiu uma casa giratória para que a mulher possa ver paisagens diferentes ao olhar pela janela.